PUB
mascote
Banner Favoritos
PUB


Conto erótico: Fodi com a professora

Eu sempre fui um cara cheio de tesão, sempre que me atraía por alguma mulher não conseguia parar de pensar na cena de como seria comer ela. No último ano do meu ensino médio tive aulas com uma professora substituta, via ela só de vez em quando.

Ela se chamava Ligia e volta e meia dava aulas para a minha turma, ela era branquinha, baixinha, loira com lindos olhos verdes. Ela era tudo o que um homem poderia querer na cama.

Ela era muito simpática, mas muito exigente também, diferente das outras professoras, ela nunca dava moral para os alunos.

Por coincidência eu acabei ficando de recuperação na matéria dela, o que não me deixou tão triste, estabeleci a meta que foderia com aquela mulher, não importava como, eu ia conquistá-la.

No dia da última recuperação, só havíamos em sala eu e mais uma colega de turma, ela logo acabou a sua prova e eu fiquei sozinho com aquela deusa, achei o momento perfeito para entrar em ação.

Comecei a apertar o meu pau por cima do shorts de tactel, logo ficou extremamente duro e marcado. Ela reparou, fingi que não percebi o olhar dela em mim, ela não parava de olhar para a minha rola.

Ela fechou a cara e ficou no canto dela, coloquei a mão e continuei massageando enquanto lia as questões da prova. Em alguns minutos ela soltou a seguinte pergunta:

- Você tá nervoso? Parece que sim… quer sair beber uma água ou algo assim?

- Ah, professora, tô tranquilo, você sabe como é, as vezes não dá pra segurar esse tipo de coisa, mas me perdoe, logo acabo a prova e vou para a casa.

Ela riu como se estivesse gostando da situação, ela vestia uma saia soltinha, começou a abrir as pernas discretamente como se fosse sem querer.

Abria cada vez mais, como se quisesse, indiretamente, que eu olhasse para a bucetinha dela.

Meu pai ficou duro demais, ela abaixou a blusa revelando um decote delicioso, aquela mulher me deixava louco.

Quando levantei, entreguei a folha e olhei descaradamente para os peitos dela, ela me deu uma bronca:

- Onde já se viu, menino? Me olhando assim de pau duro? Tá achando que eu sou o quê?

Com muita coragem eu respondi:

- Professora, não tem como não te achar gostosa. É óbvio que o meu pau tá duro, olha esses peitos!

Na hora ela riu e me disse que só queria ter certeza, disse que eu estava muito nervoso e que não devia ir embora assim. Ela trancou a porta e começou a passar a mão no meu pau, e eu ia à loucura, parecia mentira.

Ela acariciava a minha pica e eu só conseguia ficar mais e mais duro, em segundos ela estava com os dois peitões de fora, ajoelhou e tirou meu pau durão para fora. Mamava na minha rola como se estivesse sentindo vontade já há muito tempo.

Chupava, engolia até o final, babava no meu pau todo. Eu estava literalmente indo à loucura. Ela sabia exatamente como fazer para me tirar do sério.

Depois de muito chupar, ela decidiu se sentar em sua mesa, de pernas abertas para que eu colocasse o meu pau nela. Quando coloquei pela primeira vez, vi estrelas: era a bucetinha mais apertada que eu já havia comido! Eu estava me segurando muito para não gozar, porque queria aproveitar cada segundo com ela, pois sabia que poderia não acontecer de novo.

Continuei metendo e ela gemia como uma louca, mas tentando conter para que ninguém notasse o que estávamos fazendo ali.

Quando ela percebeu que eu estava quase gozando ela começou a me incentivar de uma maneira que nenhuma mulher tinha feito comigo até então.

Ela começou a pedir bem baixinho com a boca no pé do meu ouvido:

- Goza, vai? Goza na buceta da professora. Goza para mim, me mostra que tá gostando de foder comigo, queria me comer, não queria? Agora você me deve um pouco de leite, vai!

Eu estava indo à loucura, quando percebi que ia gozar tirei rapidamente de dentro da bucetinha dela e mandei ela ajoelhar, quando mal pude perceber, jorrei um jato grosso de porra na cara dela toda, que se lambuzou tentando tomar tudo, como a boa mulher que era.

Ficou toda satisfeita em ver todo o gozo que eu dei para ela, disse que havia gostado de foder comigo, que nunca tinha antes se sentido tão desejada assim.

Depois, na pressa do momento vestimos as nossas roupas e decidimos dar um tempo antes de sair da sala, afinal, era perigoso que alguém percebesse que estávamos fazendo sexo.

Ninguém notou, mas não trocamos contatos, nunca mais nos falamos depois disso, acho que ela ficou com medo disso trazer algum problema para ela.

Pelo menos tive um experiência deliciosa com aquela mulher,  nuca irei me esquecer disso.