PUB
mascote
Banner Favoritos
PUB


Fetiches e o fetichismo

De acordo com a psicanálise, fetichismo é um desvio sexual para algumas partes do corpo, função fisiológica ou cenários e locais inusitados, como por exemplo, fantasias com empregada doméstica, mecânico ou secretária, ou de fazer sexo no carro. Mas há muitos outros fetiches...

A palavra Fetiche é francesa e significa “objeto enfeitiçado” ou excitação sexual. Os fetiches consistem em encontrar prazer em atividades diversas, sendo esse uma fantasia sexual com grande poder de estimular a vontade do desejo.

Outros exemplos de fetiche são: Lingeries, sapatos, cores, tipos de pano (seda, por exemplo), roupas que recordam profissões, lugares exóticos ou partes do corpo como, pés, mãos, joelhos, unhas, etc.

Qualquer que seja o fetiche, não pode ser imposto a alguém, e deve ser feito com concordância. Existem outras vertentes também, como a podofilia, o sadomasoquismo e o voyerismo.

Fetichismo e fetiches

O fetichismo é um desvio do interesse sexual por determinada parte do corpo, a ejaculação só ocorre quando a relação tiver alguma ligação a um fetiche, sendo estes – locais inusitados ou fantasias de simulação. O sexo comum é deixado de lado, sempre existe alguma coisa ligada ao fetiche. Existem dois tipos de fetichismo: o Fetichismo Impessoal e o Fetichismo Corporal.

O Fetichismo Impessoal consiste na utilização de objetos que entram em contato com o outro, já o Fetichismo Corporal inclui todas as extremidades inferiores e superiores do corpo.

Fantasias sexuais

Existem diversas fantasias sexuais. A fantasia erótica é um desejo que envolve uma situação ou um lugar que aumente o prazer do ato sexual. Existem diversas fantasias sexuais, como por exemplo: submissão, dominação, grupal, duas mulheres, dois homens, enfeitiçar, exibicionismo, sexo com estranhos.

Qual a diferença entre homens e mulheres?

De acordo com pesquisas, os homens comumente fantasiam mais do que as mulheres. As fantasias que se associam com as mulheres envolvem serem presas ou prenderem o parceiro, na maioria das vezes, em cenários românticos. Os homens gostam de coisas que envolvem mais força e poder. 

As sensações do sexo masculino exploram o campo das novas sensações, posições ou lugares diferentes. 

O que é o fetichismo de acordo com a psicologia?

Segundo a psicologia, o fetichismo é uma parafilia, ou seja, o objeto do desejo sexual é a representação simbólica da penetração, com conotação sexual, sendo este objeto algo parcial, não representando quem está manuseando o objeto. No Ocidente, os fetiches mais comuns são os pés, inclusive no Brasil, a adoração por pés é chamada de “podolatria”, e também, tem o fetiche por sapatos e por roupas íntimas. No sadomasoquismo, os objetos mais utilizados são fetiches.

Os Fetiches de acordo com Freud

Freud se referia ao fetichismo como uma “castração imaginária à perversão”.  Os fetiches surgem desde a infância, sendo esse desenvolvido ao longo da vida, possuindo marcas de psiquismo no sujeito. De acordo com o DSM-IV, o fetichismo está classificado na mesma categoria das parafilias, ao lado da pedofilia, do masoquismo, e outros diagnósticos. As parafilias são perversões caracterizadas por anseios, fantasias ou comportamentos sexuais intensos e recorrentes que envolvem objetos, atividades e situações pouco comuns, causando sofrimento clinicamente significativo, prejuízos no convívio em sociedade, prejuízos ocupacionais ou em áreas importantes da vida do indivíduo. A perversão cria uma situação ou encenação específica ao indivíduo, de forma que o mesmo sinta prazer, não sendo uma situação inteiramente sexual, mas também de vínculos sociais. De acordo com Freud, a perversão não representa uma falha no desenvolvimento. 

O fetichismo não traz sofrimento aos adeptos do mesmo, muito pelo contrário, a vida sexual deles é muito facilitada. De acordo com Freud (1927), no fetichismo objetos são escolhidos como substitutos para o fato desagradável da castração feminina, evidenciando nos fetichistas a rejeição dessa ausência fálica nas mulheres. Desta forma, o fetiche surgiria no conflito entre a percepção da castração na mulher e o contra desejo masculino. 

Os objetos escolhidos pelo sujeito no fetiche não são escolhidos à toa, geralmente, são objetos atrelados a algum momento interrompido de sua história, dessa forma, uma experiência traumática poderia ser a razão de um possível fetiche no futuro. 

Quando o Fetichismo se torna uma doença?

O psicoterapeuta Oswaldo Rodrigues durante anos teve um paciente que se recusava a entrar em consultórios de dentista. O fetiche de seu paciente era cadeiras de dentista, ou cadeiras de cabeleireiro, entre outras. Ele ficava zangado quando via alguém saindo do consultório do dentista, imaginando que alguém poderia ter sentado na cadeira, ele chegava a sentir ciúmes da cadeira. O paciente tinha uma fixação pelo objeto que começou a colecionar fotos de cadeiras de dentista e de outras parecidas. 

Existem diversos casos patológicos: homens que só conseguem fazer sexo usando roupas femininas (travestismo fetichista), comportamento esse que tem se tornado muito comum no Brasil, de acordo com o psicólogo Oswaldo Rodrigues, existem também as pessoas que evitam contato pessoal e direto, pois preferem ter orgasmo com objetos. 

O fetichismo se torna um grande problema quando a sujeito fica doente sem o objeto, podendo desenvolver depressão, entre outros problemas psicológicos. 

De acordo com Oswaldo Rodrigues, se um indivíduo mantiver atitudes fetichistas por mais de 6 meses, ele deve procurar orientação médica, pois o fetichismo pode estar associado a transtornos de origem neurológica.