PUB
mascote
Banner Favoritos
PUB


Conto erótico: Meu primeiro namorado

Olá meu nome é Renan e hoje eu tenho 20 anos, a história que vou contar a vocês aconteceu a uns 2 anos atrás, onde foi a época que tive o meu primeiro namorado o nome dele era Gabriel.

Sou assumido gay há 2 anos, me assumi justamente por causa do namoro que tive, tudo começou através de trocas de olhares - melhor sensação quando alguém corresponde os seus olhares ainda mais quando acontecem todos os dias no mesmo horário.

Naquele tempo eu era “hétero”, pelo menos tentava ser. Sempre fui uma pessoa com vários amigos héteros, então para mim era difícil me assumir, já que vivemos em um mundo preconceituoso.

Eu tinha muito medo em perder todos os meus amigos, pois não sabia como eles iam reagir referente à minha opção sexual. Desde criança eu sempre olhei para os garotos de forma diferente - quando meus amigos ficavam pelados na minha frente, eu ficava louco!

Sei que pode parecer errado desejar seus próprios amigos, mas naquela época, eu fazia natação e depois do treino sempre íamos para o chuveiro para tirar o cloro do corpo e era neste momento que eles ficavam sem nada de roupa na minha frente.

Eu ficava louquinho de ver todos aqueles garotos na minha frente, com aquelas rolas de vários tamanhos e formas... Sempre ficava me imaginado chupando todos eles. Ficava com tanto tesão que eu ia tomar banho em um banheiro que tinha porta, já que eu ficava de pau duro.

Enfim, eu tinha medo de perder os meus amigos, então me controlava o máximo possível. Depois do treino eu sempre pegava um ônibus escolar para voltar para casa, e sempre quando chegava ao meu ponto de parada, tinha outras pessoas esperando o ônibus.

Foi aí que começou a minha troca de olhar com um garoto que era o Gabriel. Toda vez que eu chegava ele me encarava sem disfarçar, eu ficava muito nervoso, mas ao mesmo tempo eu gostava. Ficava muito triste quando ele não estava lá.

Todos os dias no treino eu não via a hora de ir para casa para poder pegar o ônibus e poder ver o Gabriel, pois virou uma rotina todos os dias e sempre no mesmo horário. Eu já tinha começado a encarar ele também sem disfarçar os meus interesses.

Gabriel era um garoto que na época tinha uns 18 anos, magro, cabelo sempre escovado, cheiroso, pois ele sempre foi muito atencioso com a sua imagem. Até que um dia tomei coragem e dei um aperto de mão a ele, mas mantendo sempre a minha masculinidade.

Até que um belo dia em uma das minhas redes sociais tinha uma notificação de um ícone de conversa - era ele me mandando um “Oi”! Fiquei muito nervoso quando vi, mas ao mesmo tempo muito feliz, então respondi com um “Eae”.

Ele começou a reclamar dizendo que eu parecia muito “Machinho”. Eu dei risada e falei que era mesmo, então começou a questionar o porquê das trocas de olhares, já que eu me dizia ser “Hétero”. Visualizei a mensagem e parei de responder.

No outro dia, fui para o treino de bicicleta para não pegar o ônibus para não precisar ver ele. Eu estava muito confuso, pois percebia que mesmo não tendo feito nada como ele, já estava gostando dele - era de alguma forma o tão falado “amor à primeira vista”.

À noite, então, Gabriel me mandou mensagem novamente, perguntado o porque não fui. Respondi que eu não estava muito bem, e ele como sempre foi meio safado e já disse:

“Não está bem porque não está comigo!”

Então, respondi com um ar de piada que talvez seria mesmo.

Comecei a retribuir os interesses dele, então começamos a conversar todos os dias e combinamos de se encontrar para nos vermos. Gabriel me disse para eu ir na casa dele no outro dia, pois estaria sozinho. Fiquei tão nervoso, mas fui mesmo assim.

Então no outro dia, nem fui para o treino de natação para poder ir na casa dele. Chegando lá me deparei com ele na porta me esperando, todo arrumadinho e cheiroso, e com aquela risada de quando está com vergonha.

Gabriel me pediu para entrar. Então abri o portão e fui até à porta, ele me deu a mão e me levou até ao sofá. Nós estávamos com tanta vergonha que cada um sentou em um sofá diferente, porém um de frente com o outro.

Ficamos nos olhando e dando risada, até que tomei atitude de pedir a ele de vir sentar ao meu lado. Estiquei a minha mão para Gabriel pegar para poder vir até mim. Quando sentou ao meu lado senti um calor tão grande que comecei a suar frio. Ele estava bem nervoso também.

Ficamos conversando por um tempo...

Já estava ficando tarde, dando quase a hora de seus pais chegarem, então me levantei e pedi um abraço e nos abraçamos. Foi o melhor abraço de minha vida, ficamos por vários minutos naquela posição.

Então fui para casa, chegando lá deitei na minha cama e senti o cheiro dele em minha roupa, queria muito ter beijado ele, mas a vergonha não deixou, e quando menos percebi eu já estava apaixonado por Gabriel. Não queria mais ficar longe dele.

Então mandei mensagem perguntando se tinha como nos vermos no outro dia, ele me respondeu que sim. Fiquei muito feliz, então mandei mensagem ao meu treinador avisando que eu teria que faltar porque não estava muito bem.

No outro dia, cheguei na casa de Gabriel e já fui logo lhe abraçando, queria muito sentir o cheiro dele. Então, sem nenhuma vergonha, perguntei onde era o quarto. Ele deu uma risadinha de canto e me chamou de safado. Então fomos até o quarto e deitamos em sua cama que era macia e que estava perfumada com o perfume de Gabriel.

Depois que deitamos olhei para ele e comecei a passar a mão em seu cabelo, então começamos a aproximar os nossos lábios. Quando beijei aquela boca gostosa parecia que o mundo tinha parado e que eu estava nas nuvens - era aquele beijo que encaixava.

Então fui acariciando ele, comecei a descer as minhas mãos pelo seu corpo, até chegar em seu pênis que por sinal estava muito duro. Dos seus lábios fui beijando o seu peito, depois a barriga até chegar no caminho da felicidade.

Comecei a abaixar a roupa dele, e tirei o seu pau para fora e comecei com um beijinho na cabeça e então abocanhei com vontade e comecei a chupar o pênis dele com vontade. Ele gemia tão gostoso que eu não queria mais parar de chupá-lo.

Depois de um tempo ele puxou a minha cabeça para cima e me colocou deitado, começando então a beijar o meu peito, a minha barriga, até chegar em minha rola - nossa foi a melhor chupada que tive!

Ele fazia movimentos circulares com a sua língua em volta da cabeça do meu pênis, me chupava com safadeza e carinho ao mesmo tempo, me deixava louco quando fazia a garganta profunda... Então, ele subiu e começamos a nos beijar novamente.

Fiquei completamente apaixonado por ele e foi aí que olhei bem fundo em seus olhos e o pedi em namoro. Fiquei com tanto medo de não aceitar, mas os olhos de Gabriel brilharam, me deu um selinho e aceitou. Foi o dia mais feliz de minha vida.

Nós nos víamos quase todos os dias, sempre inventava uma desculpa para a minha mãe, dizendo que eu ia fazer trabalho de escola e ia me encontrar com Gabriel para podermos nos ver e ficar um tempo juntos.

Depois de um tempo, algumas pessoas começaram a desconfiar e um dos vizinhos dele, um velho rabugento, falou para a mãe de Gabriel que eu estava indo com frequência na casa dela, mas ele inventou uma desculpa e ela acreditou.

Outras pessoas descobriram e começaram a ameaçar dizendo que iam contar para a minha mãe que eu era gay. Não aguentei tanta pressão e acabei falando para ela, a sorte que ela me aceitou super de boa, mas não disse que eu estava namorando.

Gabriel não falou para a sua mãe que era gay, pois sabia que ela não aceitaria a sua opção sexual e quem diria o nosso namoro, então começamos a nos vermos com menos frequência e sempre escondidos.

Então, de alguma forma, Gabriel conseguiu mudar para a escola que eu estudava para podermos nos vermos com mais frequência, mas não podíamos ficar muito juntos, já que o irmão dele estudava lá. Foi muito difícil para mim!

Naquela época eu tinha muito ciúmes de Gabriel, pois ele era o meu primeiro namorado e eu tinha muito medo de perdê-lo. Então não gostava de ver nem um outro garoto perto dele e por conta disso, começaram a surgir brigas e até chegamos a terminar por um tempo, mas depois voltamos.

Nosso namoro durou quase 1 ano e seus familiares já estavam desconfiados e o proibiram de ficar perto de mim. Fiquei muito triste quando fiquei sabendo e já não tinha mais vontade de fazer as coisas, ficava dia e noite no meu quarto chorando.

Mas o pior estava por vir. Gabriel me mandou mensagem dizendo que a sua mãe resolveu mudar de estado. Nossa, quando li aquilo, meu mundo desabou completamente, entrei em desespero só de saber que eu não ia mais vê-lo!

Eu gostava tanto de Gabriel que não imaginava a minha vida longe dele. Para mim ele era o amor para a minha vida toda, mas nada é como queremos. Eles foram embora e nem consegui me despedir.

As boas lembranças ficaram, pode passar o tempo que for mas nunca irei me esquecer dele, de seu cheiro, de seu sorriso, do seu cabelo sempre escovado, de seu beijo e do calor de seu corpo colado ao meu.

Sei que vários de vocês que estão lendo este conto já passaram por algo assim, mas olha, por mais que seja difícil, vocês conseguirão superar - as boas lembranças ficam e quem sabe um dia, o amor de sua vida volte.