mascote
PUB


  • Início
  • Blog
  • Sexo
  • Você sabe o que é trampling? Conheça esse fetiche de ser pisado
Você sabe o que é trampling? Conheça esse fetiche de ser pisado

Nunca ouviu falar o que é trampling? Esse é um dos raros desejos que se manifesta majoritariamente em homens. Venha saber tudo sobre esse fetiche de ser pisado...

Se nunca ouviu falar em trampling antes, não se sinta estranho. Esse é um dos raros fetiches que se manifesta majoritariamente em homens. Não é comum ver rapazes no dia a dia admitindo estar interessados na prática, mas eles são facilmente encontrados no universo BDSM. Afinal, é lá onde geralmente estão as mulheres com habilidade e experiência em dominação para realizar o fetiche.

A palavra, que vem do inglês “pisotear”, nomeia esse desejo comum àqueles que tiram prazer da dominação, humilhação e também da atração sexual por pés.

O que é trampling?

É uma atividade sexual na qual uma pessoa submissa fica excitada pela ideia ou pelo fato de haver uma pessoa dominante ou mais andando sobre seu corpo.

O prazer do submisso geralmente resulta de uma combinação entre a dor e o elemento da humilhação, que é muito presente em relações e práticas BDSM.

Está ligado a podolatria?

Sim, todavia, é bom ter em mente que nem todo podólatra tem o desejo de ser pisoteado! A maioria deles sente atração por certos tipos de pé: descalço, unha pintada, com tatuagem, etc. Eles costumam desejar ver, tocar com as mãos e boca ou os usarem para masturbação.

São poucos que irão querer esse contato mais duro. Por outro lado, aqueles que querem, costumam adorar vários tipos de pés.

Está ligado ao sadomasoquismo?

Sim, afinal, o sadomasoquismo passa por obter prazer e satisfação sexual a partir de práticas ou ações que envolvam a dor. Ou seja, de forma consensual, o indivíduo busca ser machucado.

Ter alguém pisando sobre partes diversas do seu corpo deveria causar desconforto e dor, repelindo você daquela ação, certo? Bem, aqueles adeptos do trampling querem sentir exatamente isso.

Existe uma causa?

Não. É apenas uma preferência, como bem elucida esse depoimento anônimo:

"Eu tive um fetiche por pés e trampling junto com uma fascinação por ser controlado por uma mulher dominante desde a infância. Nunca fui exposto a nenhuma dessas ideias e não tenho ideia do por que as tenho.

A minha esposa me obriga a adorar os seus pés e sapatos enquanto me pisoteia. Ela até me coloca sob seus pés enquanto ela se senta no sofá para ver TV ou ler. Às vezes, com seus saltos altos, às vezes, com os pés descalços, ela que decide. As minhas coxas, estômago e peito estão cobertos de hematomas e eu amo cada minuto disso.”

Trampling BDSM

Como já vimos, a prática é intimamente ligada ao mundo da dominação e submissão porque o ato exige isso dos praticantes. Então, é muito comum que os interessados recorram a acompanhantes domme ou dominantes profissionais, ou ainda a casas especializadas para obter esse serviço.

Aquele que deseja será sempre o submisso e ficará deitado para receber todo o peso da dominadora – geralmente é uma mulher – em seu peito, coxas, barriga, costas e até no rosto.

Se o submisso já faz parte do universo BDSM, é possível que o trampling esteja presente em algumas das cenas com a sua domme. Afinal, ela não vai perder a oportunidade de colocá-lo no em seu devido lugar.

Para os sadomasoquistas, como já mencionamos, essa é apenas uma das muitas práticas realizadas para conseguir prazer através de dor.

Vale lembrar que toda e qualquer ação do tipo é feita com consentimento, técnica e também é feito o uso de uma “palavra segura” que irá pausar ou parar tudo assim que for pronunciada.

Não é preciso ter sexo com o "tapete"

São diversas as pessoas que pagam outras – que sabem o que estão fazendo – para serem pisoteadas, mas o sexo não está incluso na maioria dos casos.

É claro que a prática resulta em profunda satisfação sexual para o "tapete", como se chamam em alguns grupos de homens que amam serem pisoteados, e pode facilmente resultar em um orgasmo. Mas aquele que domina não precisa ter relações ou qualquer contato íntimo com quem recebe esse tipo de “massagem”.

Como fazer trampling

O indivíduo pode se deitar no chão ou na cama. A posição pode ser a de bruços ou de costas. A pessoa que fizer o trampling deve seguir as orientações dele, caso não seja uma especialista.

O que vai dar prazer a ele? Pisar nas proximidades das suas partes íntimas? Em seu peito? Não pise em ovos, vá fundo. Se guie pelos sons, gemidos e reações dele conforme você explora. Onde aplicar mais pressão?

Se possível, seja vocal também. Uma parte significativa da experiência para essas pessoas é ser humilhado e xingado. Faça com que ele se sinta inferior como se o tratamento que você estará lhe dando fosse um privilégio.

Use os seus pés no rosto dele. Se você estiver sob o peito dele e o fizer lamber e chupar os seus dedos, as chances de que ele enlouqueça de tesão são muito grandes. 

Saltos altos

O "tapete" pode querer que você use saltos altos. E não antes de subir nele, mas durante. Parece doloroso, certo? Mas eles não dão a mínima.

Eles querem sentir a pressão do seu peso, o beliscão do salto na pele e o tesão de ver uma bela mulher em saltos altos, toda sexy em cima dele, lhe dizendo que é sob ela que ele pertence.

Segurança durante o trampling

É sempre bom frisar que você precisa ter cuidado extra com algumas práticas porque o tesão pode nos deixar bastante estúpidos. Então, vamos ter em mente algumas coisas antes.

Por exemplo: a coluna vertebral é frágil e pode ser fraturada ou quebrada durante o trampling. Então, tenha atenção com a quantidade de pressão que irá pôr cada passo.

Usar saltos pode ser sexy e até uma exigência do “tapete”, mas pular com eles sobre o cara pode ser perigosíssimo.

Algumas coisas devem ficar só na imaginação, entende?

Concluindo...

Agora que você sabe o que é o trampling, a prática te chamou a atenção? Há centenas de vídeos que você pode consultar para ter uma melhor ideia do que isso é e para pensar em praticar com seu/sua parceiro (a). Se divirta explorando e descobrindo!