mascote
PUB


Fetiche cuckold: tudo sobre isso

Todos nós sabemos quanto os fetiches podem ser bizarros! E esse pode ser o caso do fetiche cuckold. Você já ouviu falar disso? Venha entender tudo sobre o assunto.

Por mais liberais que sejamos, não é difícil reconhecer que para um homem, a ideia de sua parceira estar tendo um caso com outro, é de longe o pior cenário possível em uma relação a dois. Todavia, como estamos sujeitos a inúmeras excentricidades, também não é uma surpresa completa acreditar que o que é motivo de sofrimento para uns, possa saciar os desejos íntimos de outros. É exatamente isso que o cuckold, um dos fetiches mais polêmicos, se propõe.

Apesar do crescente aumento no número de pesquisas feitas no Brasil – onde a grande maioria da população preza pela monogamia – sobre essa prática que ainda é um tabu, o fetiche é de interesse global.

Segundo alguns números levantados pelo Pornhub, só na França, as buscas pela categoria no site chegam a ser 80% maiores do que no resto do mundo! A Rússia é outro país onde a procura aumentou.

No entanto, o fetiche cuckold pode cruzar as barreiras da estranheza, isso mesmo. Esse fetiche pouco conhecido e pouco desconhecido começou a dar as caras na atualidade e já tem muita gente falando sobre isso. Então, o reconhecimento sobre o fetiche cresceu.

É como diz aquele ditado: “tem louco pra tudo”! Isso porque, ninguém gosta de passar por determinadas situações em um relacionamento, já o adepto do cuckold, vai realmente adorar passar por algumas coisas que a maioria das pessoas odiariam e não perdoariam.

O que é o fetiche cuckold?

O termo em inglês é utilizado para se referir àqueles que encontram prazer sexual ao serem “traídos”. Esse nome curioso e pouco comum tem origem a partir de uma adaptação da palavra cuckoo. É sabido que na natureza, o macho dessa espécie de pássaro deixa que sua fêmea choque ovos postos no ninho por outro macho. Fez a relação?

Nesse fetiche, mulheres e homens se sentem realizados ao presenciarem ou ficarem sabendo que o parceiro (a) está/esteve com outro.

Quando o desejo é feminino, o termo muda para cuckqueans, mas a dinâmica é exatamente a mesma. São mulheres cujo prazer é provocado por ouvir relatos, assistirem ou gravarem seus companheiros fazendo sexo com terceiros.

Com tanta procura sobre esse fetiche nos últimos anos, o mercado está investindo e lucrando em cima do cuckold. O crescimento no número de vídeos postados em sites adultos para consumo do público adepto e curioso sobre a prática é enorme.

Assim, alguns profissionais já desenvolveram produtos específicos para esses encontros que disponibilizam nas sex shops. Enquanto isso, diversas casas de swing e troca de casais têm dedicado noites temáticas focadas especialmente nesse público liberal, fornecendo um ambiente seguro.

Leia também: "Paraíso swing: onde curtir um estilo de vida liberal?"

Onde se pratica esse fetiche?

O fetiche cuckold é algo bastante comum nas casas de swing e nos sites de pornografia isso é algo bastante apresentado. Resumindo esse fetiche para você, o cuckold nada mais é que o homem que gosta de ver sua mulher transando com outros, ou seja, o fetiche em ser corno.

Muitos homens enfrentam essa situação de maneira extremamente dolorosa, outros entram em depressão e sentem o seu ego ser ferido de maneira intensa. Saber que foi traído é uma das piores dores de um homem - ninguém fica esperando por uma traição.

Mas os homens que são adeptos do cuckold, por outro lado, esperam pela traição e até mesmo procuram por isso. Quando em casas de swing, o casal que está habituado a isso procura o homem perfeito para que o mesmo possa se relacionar com a mulher, enquanto o marido apenas observa.

O lado positivo para o homem com esse fetiche é que ele nunca vai se importar em ser traído. Então, ele apenas irá dizer “poxa, você fez sexo com outro e nem me chamou pra ver?”. É basicamente isso, meus caros.

Cuckold vs Voyeurismo

Apesar de terem uma essência em comum, é importante ressaltar que o cuckold e o voyeurismo são coisas distintas. Porém, são fetiches que podem ser praticados em simultâneo, se desejado.

Enquanto os cucks, como se chamam na comunidade, sentem tesão com a ideia do adultério, tiram prazer da prática sexual do seu parceiro (a) com outro indivíduo, o voyeur aprecia ver uma segunda pessoa em nudez completa ou parcial, tendo relações ou realizando qualquer ato sexual íntimo. Ou seja, para ele, não é necessário vínculo com a pessoa observada. Qualquer um ao ser pego praticando sexo pode ser um deleite.

Aproveite para ler: "Sabe o que é voyeurismo? Veja 10 dicas para explorar o fetiche"

O fetiche cuckold se resume apenas em observar?

Não. Na verdade, os homens cuckolds sentirão prazer em observar e, também, em participar do sexo em coletivo com sua esposa. Outros ficam apenas na observação, mas isso pode variar um pouco dependendo de cada pessoa.

Esse é um fetiche que pode ser manifestado de diversas formas diferentes. O homem que é adepto pode gostar de participar da transa, outros apenas filmam a relação da esposa e outros se mantêm subjugados ao homem que está tendo relação com sua esposa.

Alguns nem sequer gostam de olhar, filmar ou participar, se deliciam apenas em escutar as histórias sexuais de sua esposa. Ou seja, nesse caso, a esposa irá com quem teve relação e como foi, o seu esposo ficará excitado apenas de ouvir os fatos.

Como o fetiche cuckold funciona?

Se identificou com a prática e acha que pode se encontrar nesse meio? Saiba, então, que cada cuckold tem fantasias distintas e limites.

Por ser uma vertente do sadomasoquismo, existem várias formas desse prazer de ser corno ser desperto.

Embora alguns deles sintam prazer em participar do ato sexual, seja estimulando o parceiro, registrando em fotos e vídeos ou apenas assistindo no mesmo ambiente, outros não se sentem nada confortáveis em presenciar a cena, como já referimos. Seu prazer é alcançado apenas por ouvir os detalhes de como as escapadas sexuais ocorreram.

A humilhação como forma de prazer

Entretanto, é válido ressaltar que membros do fetiche podem demonstrar uma peculiaridade: a satisfação extraída da humilhação durante o ato sexual do parceiro.

Homens, em particular, parecem alcançar o ápice do prazer quando a mulher usa palavras de baixo calão para debochar da situação na qual ele se encontra. Até mesmo xingamentos de corno e outros termos usados pelo amante excitam o espectador.

A humilhação como forma de prazer é o conceito básico dos cuckolds. Alguns adeptos desse fetiche conseguem se relacionar com os outros homens durante todo o processo, no entanto, isso pode variar de acordo com cada um.

Alguns gostam de ter contato, mas outros preferem se manter distantes de qualquer relação com o homem escolhido. Mesmo quando ocorre a relação sexual com outro homem, isso não tem a ver com homossexualidade, nesse caso.

Os cuckolds, no geral, gostam de manter relação apenas com mulheres. E preferem aquelas mulheres que gostam de dominar durante a atividade sexual. Então, alguns até gostam de praticar o bondage com as mulheres.

Em certos casos, o cuckold até aceita receber o sêmen do parceiro da companheira no rosto ou boca ao fim da experiência.

E, embora muitos prefiram não ter contato com “o outro”, outros são mais dominantes. Além de delimitar as regras e posições sexuais, escolhem os amantes.

Como acontece na prática?

Os dois podem ingressar em algumas das várias redes sociais que agrupam pessoas liberais com interesse em comum para conhecer indivíduos ou lugares onde a comunidade se reúne presencialmente. Assim, vocês podem conhecer e decidir pelo outro ou outra, juntos.

Uma segunda alternativa é colocar a decisão inteiramente nas mãos daquele que irá ter relações. Dessa forma, ela ou ele pode convidar alguém por quem já tinha atração antes.

Quando já tiver alguém, é hora de decidir os arranjos: onde acontecerá? Você irá presenciar o ato? Ganhará imagens e vídeos do encontro? Prefere ouvir o relato ou ficar no cômodo ao lado enquanto acontece? O que lhes parecer melhor.

Fetiche cuckold 2

E ciúmes, como fica?

Apesar de ser muito estranho, os cuckolds podem sim, sentir ciúmes da sua esposa. No entanto, alguns não enxergam as relações que a esposa tem com outros homens como um risco para o relacionamento. Então, no fim, nem se importam tanto.

Alguns adeptos do cuckold dizem que isso não afeta em nada o seu relacionamento e que, muito pelo contrário, o torna ainda mais forte, ou seja, é uma forma de apimentar o sexo e demonstrar ainda mais o amor que sentem.

Quando um casal percebe que o homem da relação tem interesse por esse tipo de fetiche, é preciso deixar bem claro que esse é um fetiche em que a mulher é a única a se relacionar com outros homens, ou seja, é algo que ela também precisa querer.

Contudo, veja que os casais que escolhem praticar o fetiche não estão imunes ao bichinho verde do ciúme. Por isso, é necessário que regras sejam bem estabelecidas entre todos os envolvidos. Afinal, as escapadas sexuais são para fortalecer a relação, logo, o que acontece fora de casa não deve retornar ao lar do casal para evitar mal-entendidos.

É importante, assim, evitar contato desnecessário com os “amantes” fora do contexto combinado. Você não quer seu parceiro achando que há algo mais acontecendo.

Leia também: "Esposa ciumenta? Saiba o que fazer"

Como conversar sobre esse fetiche cuckold com o parceiro?

Se você continua interessado, pode estar se perguntando agora sobre como abordar essa categoria de fetiche com seu companheiro (a), principalmente se vocês são um casal que nunca abriram mão da monogamia.

Embora uma conversa franca seja sempre a melhor ideia, você pode não estar pronto para divulgar sua preferência ou temer receber uma rejeição direta que vá mudar as coisas na relação. Então, porque não começar aos poucos?

Uma forma mais natural de apresentar o tema é através de vídeos pornô de bom gosto que exibam a prática.

Outra maneira menos invasiva de testar as águas seria o exibicionismo. Afinal, vocês não precisam pular imediatamente para os encontros.

As casas de swing são ótimos lugares para encontrar pessoas liberais que estariam mais que dispostas a observarem enquanto vocês são íntimos. A experiência pode ser fundamental para concluir o quão confortável ele ou ela pode ficar com estranhos.

Espreite ainda: "O que é dogging e onde praticar no Brasil?"

Como tem isso de ter o objetivo de ser corno?

Ser corno é o medo de todo homem, pois, isso é algo que destrói não só os sentimentos e planos, mas também o ego. Enquanto para uns esse é um ato imperdoável, um fato bastante estranho sobre os cuckolds é que o objetivo deles é ser corno.

Para quem tem fetiches, um fato bastante discutido é que se a pessoa que tem o fetiche não o pratica, dificilmente sentirá prazer na realização de outras formas de sexo. Então, os cuckolds não têm apenas o objetivo de ser corno, mas, também, a necessidade.

Um fato bastante interessante sobre esse fetiche é que, como citamos acima, tem a ver com o desejo em ser humilhado, logo, se torna uma vertente do que conhecemos como masoquismo. O que seria comum de causar dor, para eles, é causa de prazer.

Só homens têm esse fetiche?

Apesar de a maioria dos adeptos do fetiche serem homens, existem também mulheres que são fãs.

As mulheres que têm esse fetiche são chamadas de cuckqueans, como já sublinhamos antes, e a prática segue o mesmo princípio - elas veem seu parceiro fazer sexo com outra mulher.

Os fetiches têm se tornado cada vez mais conhecidos no mundo todo e, no Brasil, o cuckold se tornou algo bastante conhecido e procurado. Não só o cuckold teve um aumento de pesquisas, mas, também, o termo cuckqueans.

Isso tudo indica que as pessoas que têm pesquisado podem ou não estar interessadas em tornarem esses fetiches parte de suas rotinas. Alguns casais o fazem para apimentar a relação que pode já ter bastante tempo, outros apenas por um desejo intenso.

A verdade é que todo fetiche pode ter várias causas e motivações. Mas em todo o caso, deve passar por um acordo entre o casal, para evitar tretas.

Mas por onde começar esse fetiche cuckold?

A maneira mais segura, atualmente, de encontrar pessoas para discutir o universo dos cuckolds é a internet. As redes sociais especializadas estão aí para ajudar.

Há vários sites confiáveis. E falando nisso, é importante realizar verificações de segurança daqueles com quem vão se envolver. Escolha sempre um lugar seguro para os encontros. Ao se encontrar sozinho (a) com a terceira pessoa é preciso ter o dobro do cuidado. Tenha o contato, endereço e outras informações dela.

Agora você já sabe o que é o fetiche cuckold. Acha que é para você? Então, não deixe de conversar com o seu amor para despertar o interesse dele ou dela também. Não se esqueça que a prática não é facilmente aceita e querida por qualquer um. Tenha o consentimento de seu parceiro (a) antes de iniciarem qualquer coisa.

Espreite ainda: "Quais as maneiras de conversar sobre novos fetiches com seu parceiro?"